Sejam Bem Vindos! Hoje é
PUBLICIDADE

quinta-feira, 17 de abril de 2014

Mulher morre após bater em carreta e motocicleta explodir na BR-163

Uma motociclista morreu na tarde desta quarta-feira (16) na rodovia BR-163 após bater na traseira de uma carreta. Depois da batida, segundo a Polícia Rodoviária Federal, a moto explodiu. O acidente ocorreu na região da Serra da Caixa Furada, entre os municípios de Diamantino e Nobres, distantes respectivamente 209 e 151 km de Cuiabá.

A colisão ocorreu por volta das 14h30, no km 579 da rodovia. Segundo a polícia, a motociclista morreu carbonizada depois que o veículo explodiu por conta do impacto. O motorista da carreta não teve ferimentos.

O corpo da vítima deverá ser retirado do local pela Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec).

Ainda conforme a PRF, o trânsito no local ficou parcialmente interrompido em meia pista, mas já foi liberado e o fluxo de veículos segue normalmente.

Fonte: G1 MT

Aposta mínima da Mega-Sena vai aumentar para R$ 2,50

O preço da aposta mínima da Mega-Sena, que atualmente custa R$ 2 para seis números, vai aumentar para R$ 2,50 (alta de 25%) a partir de 11 de maio. Uma portaria publicada nesta quinta-feira (17) no Diário Oficial da União autoriza a Caixa Econômica Federal a reajustar o valor das apostas da Mega e também da Lotofácil e da Quina.

De acordo com a portaria, a aposta mínima da Lotofácil, com 15 números, passará de R$ 1,25 para R$ 1,50 (20%) a partir do dia 10 do próximo mês. E a aposta mínima da Quina, com cinco números, aumentará dos atuais R$ 0,75 para R$ 1 (33%) a partir de 11 de maio.

A Caixa também está autorizada a reajustar os preços das apostas de sete a 15 números da Mega-Sena e de 16 a 18 dezenas da Lotofácil de forma proporcional à quantidade de apostas combinadas realizadas. 

A Caixa poderá ainda aumentar o valor da aposta de seis e sete números da Quina para R$ 4 e R$ 10, respectivamente. A portaria fixou ainda os valores da premiação das apostas vencedoras com 11, 12 e 13 números da Lotofácil para R$ 3, R$ 6 e R$ 15, respectivamente.

A Caixa deve divulgar os novos valores com no mínimo dez dias de antecedência e devem ser publicados no Diário Oficial da União até 30 deste mês.

Fonte: UOL

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Inaugurada há 2 anos, escola pública de Nobres já deve passar por reforma

Fossa aberta coloca em risco a vida dos alunos (Foto: Arquivo pessoal)
A Escola Estadual Marechal Cândido Rondon, na comunidade Coqueiral, na zona rural de Nobres, a 151 km de Cuiabá, precisa passar por reforma. A obra foi entregue à população há dois anos, porém, a empresa contratada para executar o projeto teria utilizado materiais de má qualidade e ainda não teria cumprido com as exigências previstas no contrato. Por conta disso, segundo a Secretaria de Educação de Mato Grosso (Seduc), deve ser realizada uma nova licitação para a contratação de outra empresa para os reparos necessários.

A Seduc informou que há alguns dias equipes do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (Fundeb), ligado ao Ministério da Educação (MEC), e da própria secretaria estadual fizeram uma vistoria na unidade e constataram os problemas denunciados pelos moradores. Essas equipes elaboraram um relatório, contendo documentos sobre a construção da escola, e o encaminhou à Procuradoria-Geral do Estado (PGE).

Conforme a Seduc, a empresa contratada, que recebeu o dinheiro mesmo não tendo concluído devidamente a obra, deverá ser acionada para ressarcir os cofres públicos. Um dos problemas apresentados foi no telhado, em que parte já teria caído, segundo a assessoria da própria secretaria.

A fossa da escola é outro problema grave. Um morador da comunidade, que pediu à reportagem para não ter o nome divulgado, disse considerar absurdo o fato de uma escola nova como essa não ter uma fossa coberta. Reclama que a fossa fica perto das salas de aula e põe em risco a vida dos alunos. "A fossa da escola desabou e está com o esgoto a céu aberto do lado da sala dos alunos, correndo sérios riscos", avaliou.

Nesse caso da fossa, de acordo com a secretaria, não se pode liberar a verba emergencial de R$ 14,5 mil, em que não se exige licitação, porque não resolveria o problema, já que há outros reparos que necessitam ser feitos.

Escola foi entregue há dois anos e já precisa de reparos (Foto: Arquivo pessoal)

Fonte: G1 MT

 
QUEM SOMOS | ANUNCIE CONOSCO | DENUNCIE À REDAÇÃO | FALE CONOSCO